Entretenimento G1

Elza Soares deixa discografia que sintetiza 60 anos de música brasileira em 35 álbuns

Por Da Redação

21/01/2022 às 11:54:28 - Atualizado há

De Lupicínio Rodrigues (1914 – 1974), ícone do samba-canção amargurado dos anos 1940 e 1950, a Romulo Fróes e Kiko Dinucci, nome de ponta da cena musical paulistana do século XXI, passando por Jorge Ben Jor, Caetano Veloso, Chico Buarque, Cazuza (1958 – 1990), Seu Jorge e Pedro Luís, Elza Soares deu voz a um Brasil sincopado, país de riquezas artísticas e naturais, mas carcomido pela miséria humana.

Construída com longos intervalos a partir dos anos 1980, por contingências do mercado, a obra fonográfica da cantora carioca foi do disco de 78 rotações por minuto até os singles e álbuns editados em formato digital, passando por LPs, compactos simples e duplos – como eram chamados no jargão fonográfico brasileiro os singles com duas ou quatro músicas editados dos anos 1960 aos anos 1980 – e por CDs.

Em vida, a discografia de Elza Soares compreende 35 álbuns. O primeiro, Se acaso você chegasse, foi lançado em maio de 1960 pela gravadora Odeon no embalo do single editado em dezembro de 1959 com a gravação do samba-título de Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins (1904 – 1980) apresentado ao Brasil em 1938 na voz do cantor Cyro Monteiro (1913 – 1973).

O último álbum, Elza Soares & João de Aquino, saiu em 10 dezembro de 2021 pela gravadora Deck com o até então inédito registro da sessão que juntou a cantora e o violonista em estúdio da cidade do Rio de Janeiro (RJ), presumivelmente em 1996.

Entre um álbum e outro, Elza Soares gravou discografia em que, ao longo da década de 1970, transitou pelo sambalanço – gênero pautado pelo ritmo sinuoso, prato cheio para a cantora exercitar a manemolência da voz rouca e cheia de ginga – e pelo samba-canção, além de ter posto veneno no cancioneiro da bossa nova e de ter contribuído para a popularização do samba-enredo na segunda metade dos anos 1960.

Após discos gravados com Miltinho (1928 – 2014), Wilson das Neves (1934 – 2017) e com o então debutante Roberto Ribeiro (1940 – 1996), Elza foi induzida a investir em sambas de temática afro-brasileira, tendência dos anos 1970 por conta do estouro da cantora Clara Nunes (1942 – 1983).

Em 1980, década em que se sentiu perdida, a cantora abriu o leque estético após ser resgatada por Caetano Veloso, que a convidou para a gravar o samba-rap Língua (Caetano Veloso) no álbum Velô (1984). No embalo dessa ressurreição (a primeira de muitas), Elza sintetizou jazz, blues, soul e samba em álbum, Somos todos iguais (1985), que ampliou as fronteiras do repertório da cantora.

Em 1988, a artista se conectou no álbum Voltei com a geração de sambistas projetados nos anos 1980 – como Arlindo Cruz, Luiz Carlos da Vila (1949 – 2008), Pedrinho da Flor e Sombrinha – com a autoridade de ter lançado Jorge Aragão em 1976 com a gravação de Malandro, samba de Aragão com Jotabê.

Com direito a dueto com Zeca Pagodinho na regravação do samba Sinhá Mandaçaia (Almir Guineto e Luverci Ernesto, 1981), a conexão com a geração do Cacique de Ramos foi refeita no álbum seguinte, Trajetória (1997), único disco gravado em estúdio pela cantora nos anos 1990, outra década difícil para Elza.

Em 2002, Elza renasceu de novo com álbum, Do cóccix até o pescoço, que deu início ao processo de atualização do som da artista. Foi neste álbum gravado com produção musical de Alê Siqueira, sob a direção artística de José Miguel Wisnik, que Elza se apropriou de A carne (Seu Jorge, Marcelo Yuka e Wilson Cappellette, 1998), música lançada pelo efêmero grupo Farofa Carioca.

Do cóccix até o pescoço tinha textura eletrônica ampliada por Elza no álbum seguinte, o arrojado Vivo feliz (2003), disco moderníssimo, feito para a pista. mas de pouca repercussão.

De volta ao samba, mas com o toque do Rap da felicidade (Julinho Rasta e Kátia, 1995) no encerramento, Elza rebobinou sucessos no álbum ao vivo Beba-me (2007), primeira gravação de show da cantora a ser editada em DVD (uma segunda sairia em 2016 com o registro de show feito em tributo ao centenário de nascimento do compositor Lupicínio Rodrigues e uma terceira foi feita em 17 e 18 de janeiro deste ano de 2022, em São Paulo, dois dias antes da morte de Elza).

A consagração definitiva de Elza Soares veio com o apocalíptico álbum A mulher do fim do mundo, lançado em setembro de 2015. A mulher do fim do mundo fez jorrar lágrima sobre o choro da cuíca, ouvido entre guitarras distorcidas. A lágrima escorreu no esquema do samba noise que conectou a cantora a artistas paulistanos como Kiko Dinucci e Rodrigo Campos.

Produzido por Guilherme Kastrup sob a direção artística de Romulo Fróes e Celso Sim, o álbum A mulher do fim do mundo revitalizou a bossa negra de Elza, mulher da pele preta, entidade que reeditou o vigor e contundência do disco de 2015 no álbum seguinte, Deus é mulher (2018), feito com a mesma turma paulistana.

Em 2019, o álbum Planeta fome repôs a cantora em órbita carioca, roçando a contundência dos dois discos anteriores com canto dessa voz do samba e do morro que transcendeu estilos e latitudes com a bossa negra de alcance universal.

Elza Soares deixa discografia que será ampliada postumamente em 2022 com álbum ao vivo

Reprodução

♪ Eis, em ordem cronológica, os 35 álbuns lançados por Elza Soares entre 1960 e 2021:

1. Se acaso você chegasse (Odeon, 1960)

2. A bossa negra (Odeon, 1960)

3. O samba é Elza Soares (Odeon, 1961)

4. Sambossa (Odeon, 1963)

5. Na roda do samba (Odeon, 1964)

6. Um show de Elza (Odeon, 1965)

7. Com a bola branca (Odeon, 1966)

8. O máximo em samba (Odeon, 1967)

9. Elza, Miltinho e samba (Odeon, 1967) – com Miltinho

10. Elza Soares, baterista: Wilson das Neves (Odeon, 1968) – com Wilson das Neves

11. Elza, Miltinho e samba – vol. 2 (Odeon, 1968) – com Miltinho

12. Elza, carnaval & samba (Odeon, 1969)

13. Elza, Miltinho e samba – vol. 3 (Odeon, 1969) – com Miltinho

14. Samba & mais sambas (Odeon, 1970)

15. Elza pede passagem (Odeon, 1972)

16. Sangue, suor e raça (Odeon, 1972) –com Roberto Ribeiro

17. Elza Soares (Odeon, 1973)

18. Elza Soares (Tapecar, 1974)

19. Nos braços do samba (Tapecar, 1975)

20. Lição de vida (Tapecar, 1976)

21. Pilão + Raça = Elza (Tapecar, 1977)

22. Senhora da terra (CBS, 1979)

23. Elza negra, negra Elza (CBS, 1980)

24.Somos todos iguais (Som Livre, 1985)

25. Voltei (RGE, 1988)

26. Trajetória (Universal Music, 1997)

27. Carioca da gema – Ao vivo (Edição independente, 1999)

28. Do cóccix até o pescoço (Maianga, 2002)

29. Vivo feliz (Reco-Head / Tratore, 2003)

30. Beba-me – Ao vivo (Biscoito Fino, 2007)

31. A mulher do fim do mundo (Circus, 2015)

32. Elza canta e chora Lupi (Coqueiro Verde Records, 2016)

33. Deus é mulher (Deck, 2018)

34. Planeta fome (Deck, 2019)

35. Elza Soares & João de Aquino (Deck, 2021)
Fonte: https://g1.globo.com/
Comunicar erro
O Santaritense Digital

© 2022 Copyright © 2021 - O Santarritense - Todos os direitos reservados
Rua José Bonifácio, 117, Centro, Santa Rita do Passa Quatro (SP)

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

O Santaritense Digital