Economia G1E

Dívida pública recua 0,68% em setembro, para R$ 5,44 trilhões

Por Da Redação

27/10/2021 às 15:18:47 - Atualizado há

De acordo com o Tesouro Nacional, queda se deve ao resgate líquido (acima das emissões) de R$ 90,27 bilhões em títulos públicos. Despesas com juros somaram R$ 52,92 bilhões em setembro. A dívida pública federal em títulos – que inclui os débitos do governo no Brasil e no exterior – registrou queda de 0,68% em setembro e atingiu R$ 5,443 trilhões, informou a Secretaria do Tesouro Nacional nesta quarta-feira (27).

Em agosto, a dívida somava R$ 5,480 trilhões.

A dívida pública é a emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal. Ou seja, são empréstimos feitos para pagar despesas que ficam acima da arrecadação com impostos e tributos.

De acordo com o Tesouro Nacional, a dívida recuou em setembro porque os resgates de títulos superaram as emissões de novos papéis em R$ 90,27 bilhões. Esse valor superou as despesas com juros, que somaram R$ 52,92 bilhões (atuando para elevar o endividamento).

Segundo a instituição, a curva de juros subiu no Brasil no mês passado "refletindo a maior aversão ao risco no exterior e no cenário interno, embora a discussão entre poderes para pagamento dos precatórios dentro do limite do teto de gastos tenha contribuído para estabilizar o mercado de juros".

A expectativa do Tesouro Nacional é de que a dívida pública continue a crescer nos próximos meses, e que termine 2021 entre R$ 5,6 trilhões e R$ 5,9 trilhões.

Risco fiscal se materializou e BC deve aumentar ainda mais a taxa de juros, diz economista

Detentores e custo médio

Os números do Tesouro Nacional também revelam que os investidores estrangeiros compraram títulos públicos no mês passado. Por isso, a participação desse grupo na dívida pública interna avançou.

Em agosto, os não residentes no país detinham 9,76% da dívida total, o equivalente a R$ 510 bilhões, valor que subiu para R$ 521 bilhões, ou 10,05% do total, em setembro.

Com isso, os estrangeiros seguem na quarta colocação de principais detentores da dívida pública interna, atrás de:

instituições financeiras (R$ 1,624 trilhão, ou 31,33% do total).

fundos de investimento (R$ 1,2 trilhão, ou 23,15% do total);

fundos de previdência (R$ 1,128 trilhão ou 21,76% do total);

Já o custo médio das emissões de títulos públicos no mercado interno, segundo o Tesouro Nacional, passou 7,96% ao ano, em doze meses agosto, para 8,10% ao ano, em setembro.

O aumento do custo médio está relacionado com o aumento dos juros básicos da economia pelo Banco Central para combater a inflação.

Início de outubro

Na parcial do mês de outubro, ainda segundo o Tesouro Nacional, houve novo aumento nos juros futuros, com impacto as taxas dos leilões de venda de títulos públicos.

"A parte curta da curva [de juros] subiu, em grande medida, devido à percepção de risco fiscal. As partes intermediárias e longas da curva também tiveram alta, reflexo das preocupações com questões fiscais e da pressão ocasionada pela alta das 'treasuries' [títulos] no mercado dos EUA", informou.

Acrescentou que, nesse cenário, o risco Brasil (acima da curva de juros dos Estados Unidos) de cinco anos apresentou alta de 10,8%, alcançando o valor de 228 pontos no dia 26 de outubro.

"Ao longo do mês de outubro, o Tesouro Nacional voltou a ajustar as suas emissões em função das condições de mercado, optando por reduzir os lotes em momentos de maior volatilidade", concluiu.
Fonte: http://g1.globo.com
Comunicar erro
O Santaritense Digital

© 2021 Copyright © 2021 - O Santarritense - Todos os direitos reservados
Rua José Bonifácio, 117, Centro, Santa Rita do Passa Quatro (SP)

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

O Santaritense Digital